Certificado Cadastur - Ministério do Turismo do Brasil - 26.064298.80.0001-2

Cicloturismo é o caminho

  • 01/11/2019

Para muito além do simples ato de viajar, mais que meramente transpor distâncias sobre uma bicicleta, mais ainda do que jogar-se em um desafio pessoal, o Cicloturismo resulta em uma experiência de aprendizado constante, cuja sala de aula não possui paredes e o professor é o próprio caminho.


Fotos: Antonio Olinto e Rafaela Asprino

Assim temos dito, provado e comprovado há quase 20 anos, quando as cicloviagens nos arrebataram ao encontro dos territórios e das culturas, onde encarar os próprios limites se transformou em apenas um detalhe enquanto contemplávamos horizontes outros.

Usando o conceito de Antonio Olinto, o primeiro brasileiro a dar a volta ao mundo em 3 anos de cicloviagem (mais de 46mil km pedalados por 34 países), “a característica primordial do cicloturismo é a mudança da concepção do exercício físico, ou seja, o cicloturista não está procurando recordes ou grandes velocidades, ele está procurando desafio, recreação e conhecimento”.

Chegar é o menor dos propósitos quando se está em um percurso Cicloturístico, porque importa substancialmente apreender do mundo seus melhores roteiros, crescer enquanto ser humano metro a metro galgado, interagir com as paisagens naturais e culturais e, em cada lugar e com cada pessoa que encontrar, levar e deixar as melhores sensações.


Fotos: Antonio Olinto e Rafaela Asprino

 O Cicloturismo, enquanto atividade saudável ao ar livre, é uma prática de lazer ativo que cumpre distâncias a bordo de uma bicicleta, o veículo da felicidade. E que tamanha é a emoção das descobertas ao chegar, seja a vilarejos ou a desertos, imputando em nós uma memória vivencial indelével!!!??!!!

É através do Cicloturismo que uma série infindável de localidades se permitem descobrir, por vezes, ao final de uma subida interminável de terra batida sob um sol escaldante, ou ainda, após centenas de quilômetros sem sequer dizer uma palavra dirigida a alguém, tamanha a solitude sem sofrimento.

Pelo cicloturismo podemos acessar determinadas comunidades que ficam localizadas fora do eixo tradicional de estradas de rodagem preferidas pelos automóveis.

Ao mover-nos por estradas vicinais estamos mais próximos, por exemplo, de uma vindima (época de colheita da uva), do processo de obtenção do vinho e da cultura que o envolve lá nos Caminhos de Pedra de Bento Gonçalves – RS; ou experimentar o Queijo Canastra na Serra de mesmo nome, que tem um similar em outra parte do mundo, na região de Viseu, na localidade de Serra de Estrela – Portugal. Ou quem sabe, ainda, ter a possibilidade de assistir a produção de peças de cristais Cá d’Oro, na simpática e acolhedora cidade de Poços de Caldas – MG.


Fotos: Antonio Olinto e Rafaela Asprino

Nestes espaços, o viajante silencioso (cicloturista) interage com o lugar, sua gente, sua prática cotidiana, e aprende com isto.

Uma das tônicas da cicloviagem é, sem dúvida, a possibilidade de conhecer como acontece a vida do outro, e tratar de guardar estes conhecimentos em uma memória afetiva e vivencial de grande valor. Tudo isto colabora para que a viagem cicloturística também seja um momento especial de autoconhecimento, de aprofundar-se em si e até mesmo de redescobertas.

O Cicloturismo é um convite à descoberta, de si, dos outros e do mundo.

Enquanto se desenvolve a viagem cicloturística, ao olhar a paisagem vamos acessando nosso repertório de conhecimentos comparando as imagens percebidas com aquilo que um dia aprendemos em casa, na escola ou lendo um livro de Guimarães Rosa, como Grandes Sertões: Veredas, por exemplo.


Fotos: Antonio Olinto e Rafaela Asprino

Ao cruzar com cidadãos pelo caminho, por vezes somos tentados a parar para tomar uma informação e, quem sabe, estender-nos em uns minutos de boa e amistosa prosa. Aos poucos vamos percebendo que nossa necessidade de conhecer é diretamente proporcional à necessidade do outro de dar-se por conhecer, na mesma medida em receber e ser recebido.

É uma troca, que não precisa ser nem na mesma medida e nem na mesma espécie. Dizemos, por isso, que depois do encontro entre o visitante e o visitado, nem um nem o outro seguem os mesmos.

O conhecimento proporcionado pelo contato com os diferentes, nestas circunstâncias cicloturísticas, promove o estabelecimento de um elo de afeto pela localidade, e, por conseguinte, aumenta o valor da experiência que almejamos. Os cicloturistas, inclusive, costumam postar nas mídias sociais as melhores noções sobre lugares que foram significativos.

Então, parte do que fazemos está intimamente conectado ao universo de cicloviajantes que está cruzando latitudes e longitudes, exatamente neste momento em que você lê estas linhas.

O convite está feito. Vamos juntos viver experiências além dos sentidos a bordo de uma bike.

Por Therbio Felipe M. Cezar
Conheça o trabalho de Antonio Olinto e Rafaela Asprino clicando aqui

Compartilhe

Curta nossa Fan Page

Veja também

Bikers Rio Pardo | SUA HISTÓRIA | Rodas da liberdade

Rodas da liberdade

Meu nome é Andréa, sou pedagoga e cadeirante. Nasci com uma deficiência chamada osteogênes... veja +

Bikers Rio Pardo | SUA HISTÓRIA | Ele emagreceu 64kg depois que começou a pedalar

Ele emagreceu 64kg depois que começou a...

Ao ouvir de sua médica que não teria mais do que 10 anos de vida, Nick Kovacs decidiu muda... veja +

Bikers Rio Pardo | SUA HISTÓRIA | Dez mil quilômetros em cem dias; conheça o ultra ciclista de 55 anos que topou realizar tamanha aventura

Dez mil quilômetros em cem dias; conheça...

O ultra ciclista pretende pedalar 100 km por dia, durante cem dias, passando pelos estados... veja +

Bikers Rio Pardo | SUA HISTÓRIA | Quer mudar de vida? Então comece a pedalar

Quer mudar de vida? Então comece a pedal...

A história de uma "jovem infratora" que transformou sua vida através do ciclismo

ACESSE O SITE

Ainda não possui conta? Clique aqui para se cadastrar!

Esconder

Recuperar senha?

Perdeu a senha? Informe o seu e-mail. Você receberá um link para recuperar a senha.

Mensagem de erro!



Voltar para login

Fechar

Próximo Evento: PEDALZINHO UNIMED - 08/12/2019

Bikers Rio Pardo | PEDALZINHO UNIMED