Certificado Cadastur - Ministério do Turismo do Brasil - 26.064298.80.0001-2

Guillain-Barré: biólogo que acordou 'tetraplégico' volta a andar de bicicleta: 'Sensação de liberdade'

  • 07/01/2019

Na manhã de 2 de outubro de 2016, Nelson Rodrigues da Silva não conseguia se mexer com sintomas da doença. Após 27 meses de recuperação, ele retorna à rotina aos poucos, em Sorocaba.


Na manhã de 2 outubro de 2016, Nelson Rodrigues da Silva acordou e se viu "tetraplégico". No entanto, o que o biólogo não sabia é que eram os primeiros sintomas da síndrome de Guillain-Barré que o paralisavam da cabeça aos pés. Atualmente, após 27 meses de uma lenta recuperação, a última conquista do morador de Sorocaba (SP) foi pedalar em uma bicicleta.
 

"É uma sensação de liberdade. Voltar a pedalar é tão mocionante quanto andar. Comecei a fazer bike com encosto na academia e com o tempo fui vendo que tinha equilíbrio", disse.

 
Quando deu entrada na UTI, o biólogo estava com 73 quilos. Saiu com 42 e se locomovendo com a ajuda de uma cadeira de rodas. Em casa, durante o tratamento, o paulista de 39 anos dependia de outras pessoas para beber água ou até mesmo ir ao banheiro.

O G1 acompanhou um dia de Nelson enquanto ele ainda precisava de um enfermeiro e voltou a visitá-lo quando a rotina começou a ser aquela que imaginava ter outra vez quando observava a movimentação nas ruas pela janela do hospital.

O peso corporal voltou a ser o mesmo com visitas diárias à academia. Aos poucos, o controle sobre os membros foi retomando, assim como a esperança em superar de vez a misteriosa doença que deixa vítimas fatais pelo país.

 

"Eu estava psicologicamente abalado e foi incrível quando cheguei em casa e comecei a engordar. Hoje, mesmo com muita dificuldade, meu corpo está respondendo muito bem e só levei dois tombos de bike, mas faz parte", brinca.

 

Biólogo de Sorocaba acordou com os efeitos da infecção — Foto: Kauanne Piedra/G1

 

'Tetraplégico'
 
A doença surgiu durante os trabalhos de coleta de informações para o doutorado, em Maceió (AL). Nelson foi ao médico nos dias seguintes e chegou a apresentar melhora. Ele aproveitou a oportunidade para voltar a Sorocaba e, ainda no aeroporto, se deparou com as pernas travadas.

Silenciosa, a doença começou a afetar os membros inferiores durante a madrugada. A família logo procurou ajuda médica quando o corpo já não correspondia aos comandos.

Debilitado, mas podendo se comunicar, ele foi até uma clínica particular sem saber o que tinha. O médico fez três perguntas e alertou: "você está com a síndrome de Guillain-Barré".

Ele foi internado e passou 31 dias no hospital, sendo cinco na Unidade de Tratamento Intensivo (UTI).
 

Vítima da doença, biólogo de Sorocaba precisou de enfermeiro — Foto: Camila Forti/G1

 

Síndrome de Guillain-Barré
 
A Vigilância Epidemiológica de Sorocaba explicou ao G1 que a Síndrome de Guillain-Barré não é uma doença de notificação compulsória.

Devido à possível relação com a infecção do vírus da zika e outras arboviroses, existe desde 2016 a orientação de investigação para estes agentes em todos os casos com diagnóstico confirmado.

Ainda segundo a Vigilância Epidemiológica de Sorocaba, a Síndrome de Guillain-Barré ocorre quando o próprio sistema de defesa do corpo ataca os nervos periféricos. Porém, existe tratamento.

Até o momento, não existe estatística brasileira sobre a ocorrência de casos da síndrome, segundo a Secretaria Estadual de Saúde.

Assista o vídeo da matéria aqui.

Por: G1.com 

 

Compartilhe

Curta nossa Fan Page

Veja também

Bikers Rio Pardo | SUA HISTÓRIA | Ciclismo deu força para ele superar acidente em que perdeu 6 cm de perna

Ciclismo deu força para ele superar acid...

Jefferson Spimpolo superou acidente, o vício em drogas e virou ciclista da seleção brasile... veja +

Bikers Rio Pardo | SUA HISTÓRIA | Meu pai, meu guerreiro

Meu pai, meu guerreiro

Conheça a história do Ricardo "Paçoca" de Ribeirão Preto

Bikers Rio Pardo | SUA HISTÓRIA | Ele perdeu as mãos, mas decidiu começar a pedalar

Ele perdeu as mãos, mas decidiu começar...

Um dia um amigo chegou a lhe dizer: “É tão bom andar de bicicleta, uma pena que você não p... veja +

Bikers Rio Pardo | SUA HISTÓRIA | Aposentado pedala todos os dias para regar árvores de uma avenida

Aposentado pedala todos os dias para reg...

Hélio Silva, de 61 anos, faz isso por amor. “Quem sabe alguém me copia”

ACESSE O SITE

Ainda não possui conta? Clique aqui para se cadastrar!

Esconder

Recuperar senha?

Perdeu a senha? Informe o seu e-mail. Você receberá um link para recuperar a senha.

Mensagem de erro!



Voltar para login

Fechar

Próximo Evento: 2º CICLO AVENTURA - NOVA RESENDE-MG - 09/06/2019

Bikers Rio Pardo | 2º CICLO AVENTURA - NOVA RESENDE-MG