Certificado Cadastur - Ministério do Turismo do Brasil - 26.064298.80.0001-2

Os prós e contras dos materiais usados na fabricação de bicicletas

  • 15/05/2017

Para ajudar você nessa tarefa, ouvimos alguns especialistas e pesamos os prós e contras de cada material.


A matéria-prima usada na fabricação de bicicletas, nos quadros ou componentes, é um dos assuntos mais discutidos no ciclismo. Afinal, é ela que confere à bike características como leveza, rigidez e durabilidade, e por isso acaba sendo alvo de constantes inovações com o objetivo de aprimorar cada vez mais essas qualidades.

Atualmente, a maioria dos quadros e peças de alto rendimento é feita de fibra de carbono, matéria-prima usada na fabricação de aeronaves e carros de corrida. O alumínio, no entanto, continua sendo o material mais vendido pelas grandes marcas. Há alguns anos vimos o ressurgimento do aço cromo-molibdênio, apreciado principalmente por fãs das bikes estilo vintage e ciclistas praticantes de provas de resistência.

Alguns fabricantes ainda desenvolvem projetos em titânio, enquanto outros procuram inovações como o ainda pouco conhecido grafeno. Com tantas alternativas, não é difícil ficar em dúvida na hora de escolher.

Para ajudar você nessa tarefa, ouvimos alguns especialistas e pesamos os prós e contras de cada material.

Fibra de carbono 

Atualmente, nenhum material utilizado na fabricação de componentes de bicicleta é tão leve quanto a fibra de carbono. Além disso, é excelente para quem projeta, pois, diferentemente dos metais, ela pode ser moldada em infinitas formas, permitindo a criação de desenhos mais aerodinâmicos, leves e rígidos. “O processo de laminação do carbono permite otimizar a utilização do material, aumentando a rigidez onde é necessário e diminuindo em locais específicos para aumentar o conforto e eliminar excessos em regiões de baixa solicitação”, explica o engenheiro Eurico Paes Leme, um dos maiores especialistas em restauração de quadros de fibra de carbono do Brasil e autorizado da marca italiana Pinarello.

Outro detalhe é que esforços repetitivos não têm grande impacto em sua durabilidade, o que significa que a fibra de carbono sofre pouca fadiga. Essa resistência, no entanto, é limitada, pois ela não aguenta a mesma força em todas as direções. Isso porque as fibras são unidas por resina, de modo que a resistência apresentada em uma direção não será a mesma encontrada em outra. Com isso, o mesmo quadro que suporta um sprinter extremamente forte pode se quebrar ao ser comprimido por um cavalete de reparo, por exemplo.

Essa característica também explica a fragilidade do quadro em caso de pancadas e o cuidado exigido ao fixar componentes de carbono, o que deve ser feito sempre com o auxílio de um torquímetro, ferramenta que permite ajustar o torque de aperto, evitando danificar o componente por excesso de força. Em caso de quebra, entretanto, o material pode ser reparado por um profissional que conheça a técnica adequada para realizar o conserto.

Alumínio

Muitos apostaram que o alumínio seria completamente substituído pela fibra de carbono em componentes de alto desempenho. Todavia, olhando para o mercado atual, percebemos que esse cenário não se concretizou. Isso porque, em algumas situações, ele se mostra tão eficiente quanto o carbono, com a vantagem de custar bem menos. “Quantitativamente, a produção de modelos de ligas de alumínio é bem superior quando comparada aos de carbono. Alguns dos motivos dessa opção são o enquadramento dos preços da linha e a adequação à expectativa de cada ciclista. No entanto, isso não nos limitou e continuamos rompendo limites e investindo no desenvolvimento de novas tecnologias e métodos de fabricação com ligas de alumínio”, comenta Gonçalo Costa, diretor de produtos da Specialized Brasil.

Mesmo hoje, com a popularização do carbono, muitos ciclistas ainda optam por mesas e guidões feitos de alumínio, pois sofrem menos torção. Além disso, no caso de uma pancada, o carbono tende a quebrar de uma vez, enquanto o alumínio se deforma antes de se romper. Quadros de média gama para estrada como os Allez Smartweld da Specialized e o Caad 10 da Cannondale têm baixo peso e excelente desempenho, inclusive superiores aos básicos de carbono. Contudo, por utilizarem tubos com paredes muito finas, eles amassam mais facilmente com pancadas. Além disso, é um material mais suscetível à fadiga e pode ter sua vida útil encurtada se utilizado de forma muito agressiva.

Aço cromo-molibdênio 

Nenhum material faz mais parte da história do ciclismo do que a liga de aço com cromo-molibdênio. Afinal, há pouco mais de 30 anos ela era uma das únicas disponíveis para a fabricação de componentes de alto rendimento. Diferentemente do carbono, o mais clássico dos metais é igualmente forte em todas as direções, tolerando abusos como apertos exagerados e tombos. Além disso, ele raramente rompe de repente, pois costuma trincar antes de quebrar.

Em caso de danos, é possível consertar um componente de aço com solda. Todavia, as características de resistência e desempenho serão afetadas. “A grande dificuldade na recuperação de quadros metálicos não é a soldagem em si, mas sim a retempera da região termicamente afetada”, explica Eurico.

Por se tratar de um material flexível, o aço proporciona excelente conforto, porém é menos eficiente na transmissão de po- tência. Essa característica, aliada ao peso elevado, fez com que ele deixasse de ser utilizado quando o foco é a velocidade. Porém, com a utilização de tubos com paredes de espessura variável e soldaduras com gases inertes, é possível desenvolver um quadro de aço bastante leve e rígido. Contudo, um componente desse tipo teria uma produção artesanal de custo muito elevado.

Hoje, o cromo-molibdênio ainda encontra seu espaço, sendo muito utilizado por cicloturistas, randonneurs (ciclistas de longa distância) e amantes das linhas clássicas que o material oferece.

Titânio 

Se materiais fossem carros, o titânio seria um superesportivo italiano: eficaz, chamativo e caro, muito caro. Isso porque, além do processo de mineração custoso, ele requer ferramentas e técnicas especiais para ser trabalhado. Uma de suas principais vantagens é a grande capacidade de absorção de vibrações. Com isso, quadros feitos com este nobre metal são bastante confortáveis, apresentando uma rodagem suave e silenciosa.

Outro detalhe positivo é sua resistência, que chega a ser o dobro da do aço. Diferentemente do que se pensa, ele não é extremamente leve. Porém, por ser muito forte, os projetistas conseguem utilizar tubos de grande diâmetro com paredes muito finas, resultando em um quadro mais leve do que um de cromo-molibdênio, porém mais pesado do que um de alumínio ou de carbono. Hoje, a maioria dos fabricantes usa a liga 3Al/2,5V (3% alumínio, 2,5% vanádio), porém a utilização da liga 6Al/4V (6% alumínio, 4% vanádio) tem crescido, reduzindo o peso, aumentando a resistência e também o preço.

Graças à sua elevada tolerância à corrosão, o titânio raramente é pintado, conferindo aos quadros e componentes um visual inconfundível que agrada muito aos apaixonados pelo metal.

Grafeno

De tempos em tempos, o mercado é inundado com notícias sobre algum material que está chegando para revolucionar o esporte. Alguns acreditam que este novo candidato já tem nome. Trata-se do grafeno, uma forma cristalina do carbono, extremamente resistente e leve, sendo o mais forte já criado. Para se ter ideia, mesmo sendo flexível e pouco quebradiço, ele chega a ser 2 mil vezes mais robusto do que uma das melhores fibras de carbono da atualidade, a T1000 da Toray. Com essas características, será possível produzir quadros de 400 g capazes de absorver impactos que deixariam um similar de fibra de carbono em pedaços.

Outra qualidade que chama a atenção é sua grande capacidade de conduzir calor. Com isso, rodas feitas com este material não sofreriam o pior problema das clinchers de carbono: a delaminação (separação das lâminas) causada pela alta temperatura que o perfil da roda atinge em razão do atrito com as pastilhas durante a frenagem. Não é à toa que a Vittoria — renomada fabricante de pneus e rodas para bicicletas — já utiliza uma combinação de grafeno e carbono em seus aros Qurano. Segundo a fabricante, o referido modelo tem 50% mais rigidez lateral e furos de raios 20% mais resistentes, operando com uma temperatura até 30% mais baixa (pois dissipa melhor o calor).

Porém, devido à sua fabricação extremamente custosa e à constante evolução da fibra de carbono, muitos acreditam que, ao menos em médio prazo, o grafeno ficará relegado ao uso na eletrônica e na medicina, áreas em que também é aplicado. 

Por Gustavo Figueiredo - Site: Ativo.com

Compartilhe

Curta nossa Fan Page

Veja também

Bikers Rio Pardo | Artigo | Novo estudo afirma que ciclismo não causa infertilidade ou impotência

Novo estudo afirma que ciclismo não caus...

Um novo estudo publicado no The Journal of Urology afirma que, diferente do que muitos ima... veja +

Bikers Rio Pardo | Artigo | Sono de qualidade: um grande aliado do pedal eficiente

Sono de qualidade: um grande aliado do p...

Todo mundo sabe que dormir bem (e bastante!) é fundamental e imprescindível para manter a... veja +

Bikers Rio Pardo | Artigo | Ciclismo e a melhor opção para manter a saúde, diz estudo

Ciclismo e a melhor opção para manter a...

Usar a bicicleta diariamente reduz em 52% o risco de doenças no coração e em 40% o risco d... veja +

Bikers Rio Pardo | Artigo | Afinal, precisa ou não precisa alongar?

Afinal, precisa ou não precisa alongar?

Veja o que dizem as pesquisas mais recentes sobre o que realmente traz mais flexibilidade

ACESSE O SITE

Ainda não possui conta? Clique aqui para se cadastrar!

Esconder

Recuperar senha?

Perdeu a senha? Informe o seu e-mail. Você receberá um link para recuperar a senha.

Mensagem de erro!



Voltar para login

Fechar

Próximo Evento: CICLO AVENTURA - FURNAS - MG - 25/02/2018

Bikers Rio Pardo | CICLO AVENTURA - FURNAS - MG