Certificado Cadastur - Ministério do Turismo do Brasil - 26.064298.80.0001-2

História da Bicicleta

  • 08/08/2014

No começo eram apenas duas rodas ligadas por um pedaço de madeira. <br /> As primeiras bicicletas, se é que podem assim ser chamadas, não possuíam pedais, nem pneus de borracha e nem mesmo freios.


No começo eram apenas duas rodas ligadas por um pedaço de madeira. 

As primeiras bicicletas, se é que podem assim ser chamadas, não possuíam pedais, nem pneus de borracha e nem mesmo freios. 

Na maioria das biografias o mérito pela invenção do precursor da bicicleta coube a um barão alemão chamado Karl Friederich Drais (1785-1851). Ele buscava um veículo que pudesse percorrer pequenas distâncias, mas que fosse rápido e barato. 

Alguns anos antes, ele havia experimentado veículos com três e quatro rodas propelidos a força humana que fracassaram por não serem baratos e muito menos práticos. 

Foi então que em 1817 ele concluiu sua busca ao idealizar um veículo com duas rodas. Eram basicamente duas rodas de carroça ligadas a uma estrutura de madeira. A engenhoca possuía um sistema de direção rudimentar, mas que funcionava de forma razoável. Para se obter movimento era necessário estar sentado sobre ela e empurrá-la tocando o solo com um pé de cada vez. 

Desde o começo, Drais havia concebido seu invento com propósitos comerciais, e assim que percebeu o seu potencial, tentou patenteá-lo em Viena sem êxito. Porém, em sua terra natal (Ducado de Baden) e em Paris, ele conseguiu obter patentes rapidamente transformando seu invento em um sucesso, e apesar das patentes, suas "Draisines" , como eram chamadas, foram copiadas aos montes, se espalhando por grande parte da Europa. 

Por volta de 1820, devido a problemas políticos em seu país, Drais veio para o Brasil, onde morou até 1832, quando se mudou para Inglaterra. Nesta época a moda das draisines havia passado. 

Foi apenas por volta de 1860 que algumas melhorias começaram a ser introduzidas. Talvez a mais importante tenha sido o uso de pedais acoplados à roda dianteira. Estes mecanismos já eram conhecidos de longa data mas não se sabe ao certo porque tanto tempo se passou até que sua utilização fosse adotada. Talvez a idéia de equilibrar-se em duas rodas não agradasse as pessoas da época. 

A próxima melhoria foi a introdução de pneus maciços de borracha, que além de tornarem a rodagem mais confortável, ofereciam mais tração em pisos lisos, como por exemplo, paralelepípedos. 

Com a difusão dos agora chamados velocípedes, surgiram os clubes de ciclismo e também as competições. Embora tivesse havido corridas com draisines anteriormente, a primeira corrida documentada de velocípedes ocorreu em Paris a 08 de dezembro de 1867. 

Foi nesta época que as rodas dianteiras começaram a aumentar de diâmetro. Isto porque quanto maior a roda dianteira, maior seria o espaço percorrido com uma pedalada. Estas bicicletas eram chamadas de "High Bicycles" que em português significa bicicletas altas. 

Outro avanço significativo foi a introdução de aros de metal nas rodas que ao invés de trabalharem a compressão como os aros de madeira, trabalhavam a tração, tornando a rodagem muito mais macia. Tanto assim que estas rodas eram chamadas de "suspension wheels" ou seja rodas-suspensão. 

Com as condições de rodagem beneficiadas pelas novas tecnologias, as velocidades aumentaram e portanto as quedas tornaram-se mais freqüentes e com conseqüências mais graves. Era necessário baixar o centro de gravidade destas bicicletas para torná-las mais fáceis de serem equilibradas. Vários modelos apareceram, mas o mais bem-sucedido foi aquele que transferiu a tração da roda dianteira para roda traseira usando uma corrente para levar o movimento dos pedais para a parte de trás e engrenagens com diâmetros diferentes com a finalidade de multiplicar o espaço percorrido pela roda traseira para cada pedalada. 

Entre 1880 e 1915 vários formatos de quadros e diferentes tipos de materiais (aço, alumínio, madeira, bambu), foram utilizados para fabricação de bicicletas, mas o formato que prevaleceu foi o de "diamante" devido à facilidade de construção e resistência oferecida, e o material foi o aço pelo seu baixo preço. 

Com a alta produção e a baixa dos custos as bicicletas assumiram um papel social importante na época, fornecendo transporte eficiente e barato. Mesmo com a introdução do automóvel, elas continuaram a servir a população. Surgiram modelos interessantes, como por exemplo, a bicicleta bombeiro, que carregava uma mangueira, e a bicicleta militar que entre outras coisas, possuía uma metralhadora acoplada ao quadro. 

Mas, apesar disso, poucas mudanças ocorreram durante as décadas seguintes. A não ser por novos acessórios, novas técnicas de confecção de quadros e a introdução dos pneumáticos (pneus com câmaras), pode-se dizer que entre 1920 e 1970 houve um congelamento na evolução da bicicleta, um período de estagnação. 

Foi com a introdução do "Mountain Biking" nos anos 70, que a indústria passou a repensar a bicicleta devido a necessidade de se obter mais resistência sem aumento de peso. Com a pesquisa de novos materiais, mais leves e mais resistentes, está se chegando cada vez mais perto da bicicleta ideal. Podemos citar como exemplos de materiais, o titânio, a fibra de carbono, e mais recentemente, um material chamado Scandium que reúne as características do titânio a um preço um pouco superior ao do alumínio. 

Com a utilização destes materiais foi possível introduzir conceitos que já existiam, mas eram impossíveis de serem aplicados devido ao custo e ao acréscimo de peso. Alguns destes conceitos são os novos desenhos dos quadros, freios a disco, câmbio de 27 velocidades e suspensões dianteira e traseira. 

Talvez estejamos atravessando uma época tão criativa quanto a da origem das bicicletas, quando se buscava o formato ideal, o que é uma grande vantagem porque quem sai ganhando somos nós ciclistas.

 

Compartilhe

Curta nossa Fan Page

Veja também

Bikers Rio Pardo | Artigo | Exercícios físicos regulares dobram as chances de você chegar aos 85 anos, diz estudo

Exercícios físicos regulares dobram as c...

Pessoas com os mais altos níveis de aptidão física aos 75 anos tiveram mais do que o dobro... veja +

Bikers Rio Pardo | Artigo | SP: Bicicleta significa economia ao SUS e aumento do PIB

SP: Bicicleta significa economia ao SUS...

A saúde dos paulistanos pode melhorar muito se a bicicleta fosse mais utilizada para ir ao... veja +

Bikers Rio Pardo | Artigo | Quer mais tempo, dinheiro e saúde? Vá de bike

Quer mais tempo, dinheiro e saúde? Vá de...

Estudo inédito aponta que ciclistas economizam até 451 reais ao mês, tem 90 minutos livres... veja +

Bikers Rio Pardo | Artigo | Exercício físico faz você mais feliz do que dinheiro, diz novo estudo

Exercício físico faz você mais feliz do...

Novo estudo diz que o exercício físico é mais importante para sua saúde mental do que a su... veja +

ACESSE O SITE

Ainda não possui conta? Clique aqui para se cadastrar!

Esconder

Recuperar senha?

Perdeu a senha? Informe o seu e-mail. Você receberá um link para recuperar a senha.

Mensagem de erro!



Voltar para login

Fechar

Próximo Evento: 2º CICLO AVENTURA - NOVA RESENDE-MG - 09/06/2019

Bikers Rio Pardo | 2º CICLO AVENTURA - NOVA RESENDE-MG