Certificado Cadastur - Ministério do Turismo do Brasil - 26.064298.80.0001-2

Ciclismo: carboidratos para ter no prato

  • 07/04/2015

Além dos géis e bebidas esportivas, os alimentos naturais são a nossa principal fonte de energia. O difícil é acertar na escolha dos carboidratos


Para quem pedala com intensidade, a pergunta que se faz já não é mais se é necessário ou não usar repositores de carboidrato, e sim quais deles usar. Indicados para (como o nome já diz) repor ou fornecer energia antes, durante e depois dos treinos e provas, esses repositores são essenciais para o organismo manter os seus estoques de glicogênio nos músculos e no fígado, aumentando a disposição durante o pedal. Além disso, a energia dos carboidratos (a indicação é de 30 a 60 g por hora) é liberada em uma velocidade até três vezes maior do que a derivada da gordura. Isso significa menos cansaço, mais força e velocidade no pedal.

No ciclismo, esse combustível costuma ser usado na forma de gel, de barra e de bebidas esportivas, cada um com seus prós e contras. Mas isso não quer dizer que não podemos encontrá-lo nos alimentos naturais, como pão, arroz e macarrão, livres de aditivos químicos. O grande desafio é saber exatamente o que colocar no prato, diante das vastas opções que o cardápio oferece — charada que vamos matar para você a seguir, com a ajuda de uma nutricionista. Antes, porém, que tal uma análise rápida dos repositores de carboidrato em seus diferentes formatos?

 

O melhor de cada um
A principal vantagem do gel é a sua rápida absorção pelo organismo. Além disso, é um alimento de alto índice glicêmico. Em contrapartida, não falta quem não reclame de seu gosto (muito doce) e consistência, considerados indigestos. O mesmo não se aplica aos carboidratos na forma de barra. Além de fornecer energia de rápida absorção e restabelecer o glicogênio perdido durante a atividade física, eles têm sabor de sobremesa.

Por sua vez, as bebidas esportivas e a mistura de maltodextrina e água oferecem a conveniência de poder ser levadas na caramanhola presas à bike e de hidratar o atleta ao mesmo tempo em que repõem o carboidrato.

“A opção por um tipo ou outro vai do gosto de cada atleta. Não há diferença entre eles. Em qualquer uma das formas, esses repositores fornecem a quantidade de energia de que o atleta precisa em um determinado tempo de exercício”, explica Erick Oliveira, nutricionista especializado em exercício físico, nutrição e medicina na saúde e no esporte e representante do Gatorade Sports Science Institute (GSSI) no Brasil.

Já os carboidratos extraídos diretamente dos alimentos oferecem a vantagem de ser saborosos e não restringirem a dieta, podendo ser encontrados tanto no macarrão, no arroz e na batata como nos pães em geral, na aveia e nas frutas.

 

Matando a charada
Para não errar na escolha, em se tratando de alimentos naturais, a melhor forma é descobrir o índice glicêmico de cada um deles e, consequentemente, a velocidade de absorção pelo organismo. “Os alimentos de médio índice glicêmico (IG) provocam uma resposta média de 30 a 40 minutos após serem consumidos. Já os de alto IG promovem rápido aumento da glicemia, sendo assim uma fonte imediata de energia. Sua resposta ocorre entre 15 e 20 minutos após a ingestão”, ensina Fabiana Honda, nutricionista da PB Consultoria.

Porém, dificilmente um atleta consegue montar esse cardápio por conta própria, pois achar o carboidrato certo para ser consumido na hora certa é bem, bem complicado. Isso porque cada alimento tem, em teoria, um tempo para ser absorvido pelo organismo. E se ele está misturado a fibras e proteínas, por exemplo, esse tempo pode mudar.

Na prática, funciona assim. Se o atleta teve uma boa alimentação antes do treino, com uma quantidade de carboidratos que garanta energia para a primeira hora de pedal, ele pode, após 40 minutos de exercício, consumir um sanduíche ou uma bananinha com açúcar, por exemplo, para ter energia para a segunda hora de treino. Mas se ele já saiu para o treino mal alimentado, ao comer esse mesmo lanchinho, após os 40 minutos de exercício, seu estoque de energia já estará no limite. Com isso, as chances de o carboidrato não fazer efeito em tempo hábil são muito grandes.

 

Dose certa
No cálculo da quantidade de carboidrato pesam fatores como intensidade e duração do treino, além da quantidade de músculos envolvidos na atividade. Em geral, a matemática é simples. Por exemplo, veja a imagem 1 abaixo:

Porém, de acordo com uma pesquisa feita pelo GSSI, em média os atletas consomem apenas 40% de suas necessidades diárias. Isso significa maior chance de fadiga, músculos mais pesados e dificuldade de concentração para manter o exercício em uma intensidade não estressante.

 

Olho no índice
O cálculo do índice glicêmico (IG) é quase uma matemática impossível. Isso porque o carboidrato em si — ou seja, o açúcar — tem uma determinada taxa, mas ao ser associado a outros nutrientes, esses valores se alteram. “Uma coisa é o cálculo do IG do açúcar, outra é o cálculo do alimento como um todo, dentro do prato, dos outros alimentos consumidos, do horário de consumo e da sua forma. Não é um processo simples”, explica Fabiana Honda.

O ideal, ao montar a sua tabela de alimentos para reposição de carboidrato, é sentar com um nutricionista e conhecer um pouco mais das alternativas disponíveis. Lembrando que é preciso experimentar esses alimentos durante os treinos e nunca “estreá-los” em dia de prova.

 

Energia alternativa
Em 1991, a nutricionista Mirtes Stancanelli, do Laboratório de Bioquímica do Exercício (Labex/Unicamp), substituiu a maltodextrina dos atletas do time de futebol da Ponte Preta por caldo de cana. O resultado? “A garapa é o alimento mais adequado para a reposição do glicogênio muscular, uma vez que uma pequena quantidade repõe aproximadamente 60% do glicogênio, além de outras vitaminas e minerais”, garante ela. Cheio de nutrientes, o caldo de cana não apenas repõe o glicogênio muscular como atua como hidratante — por conter sódio e potássio — e ainda ajuda a restaurar o sistema imunológico do atleta, pela quantidade de vitaminas que oferece. Além disso, é considerado um excelente oxidante, quando misturado a frutas como maracujá, morango ou limão. A pedida, então, é terminar o treino entre amigos com uma roda de garapa.

 

Fome de quê?
Opções de alimentos caseiros pela quantidade de carboidrato,  veja na imagem abaixo 2

 

(matéria publicada na edição 83 da revista VO2, agosto de 2012)

Por Nanna Pretto

 

 

 

 

Compartilhe

Curta nossa Fan Page

Imagens

Veja também

Bikers Rio Pardo | Dica | Cicloturismo: como se preparar para uma viagem de bicicleta

Cicloturismo: como se preparar para uma...

Viajar de bicicleta é uma aventura inesquecível. Desde pequenos trajetos até viagens inter... veja +

Bikers Rio Pardo | Dica | 10 alimentos que têm mais potássio do que a banana

10 alimentos que têm mais potássio do qu...

Na hora de repôr as energias, muitos atletas têm como primeira opção a banana, conhecida p... veja +

Bikers Rio Pardo | Dica | Sua bike está segura? Veja como trancar sua bicicleta na rua

Sua bike está segura? Veja como trancar...

Um dos maiores pesadelos de quem usa a bicicleta como meio de transporte é não encontrar a... veja +

Bikers Rio Pardo | Dica | Três exercícios incríveis para quando você está sem tempo para pedalar

Três exercícios incríveis para quando vo...

Sem tempo para pedalar? Sem problema! Você pode fazer esses exercícios de alta intensidade... veja +

ACESSE O SITE

Ainda não possui conta? Clique aqui para se cadastrar!

Esconder

Recuperar senha?

Perdeu a senha? Informe o seu e-mail. Você receberá um link para recuperar a senha.

Mensagem de erro!



Voltar para login

Fechar

Próximo Evento: Ciclo Aventura - VARGEM GRANDE do Sul - 22/07/2018

Bikers Rio Pardo | Ciclo Aventura - VARGEM GRANDE do Sul