Certificado Cadastur - Ministério do Turismo do Brasil - 26.064298.80.0001-2

Caminho de Frei Galvão

  • 30/03/2017

O Caminho do Frei Galvão é um percurso de 135 quilômetros, seguindo pelas estradas e trilhas da Serra da Mantiqueira. A definição do trajeto foi planejada e organizada utilizando como base as tradicionais trilhas antes percorridas por tropeiros para o transporte de mercadorias antigamente.


O sucesso dos Caminhos da Fé, como o de Santiago de Compostela na Espanha, inspirou no Brasil inúmeros roteiros.

Assim, em 2007, a canonização de Frei Galvão deu origem ao Caminho de Frei Galvão, entre São Bento do Sapucaí e Guaratinguetá. 

O Caminho do Frei Galvão é um percurso de 135 quilômetros, seguindo pelas estradas e trilhas da Serra da Mantiqueira, entre municípios mineiros e paulistas, de grande altitude. A definição do trajeto foi planejada e organizada utilizando como base as tradicionais trilhas antes percorridas por tropeiros para o transporte de mercadorias antigamente.

Um caminho bem sinalizado, pronto para ser utilizado pelos amantes de caminhada que buscam a peregrinação religiosa e histórica, sempre em contato com a belíssima natureza da Mantiqueira. Uma experiência que proporciona conhecer lugares lindos, além da energização.

 

Cidades do Percurso

  • São Bento do Sapucaí - SP
  • Luminosa - Distrito de Brazópolis - MG
  • Piranguçu - MG
  • Wenceslau Braz - MG
  • Guaratinguetá - SP

 

Pousadas do Percurso: clique aqui!

 

DIÁRIO DE VIAGEM
 
Partida às 8 horas de São Bento do Sapucaí-SP, da pousada Cama & Café, onde se recebe mapas e orientação para a caminhada. Percurso de 23 km, com saída pelo bairro do Quilombo e chegada à cidade mineira de Luminosa, pelo bairro dos Lucios, a 1.575 m. de altitude. Pernoite na Pousada de Nossa Senhora das Candeias. Encontro com ciclistas que faziam o mesmo trajeto. Setas azuis em placas de madeira indicam a trilha.

Em Luminosa: café da manhã. Saída às 8:15 hs, em direção a Piranguçu-MG, comaltitude de 950 metros. Trajeto de 21 km, por altitudes de até 1.200 metros. Paisagens impressionantes, flores, pinheiros, pontes, amoras, pássaros, ar puro, jantar e dormida na Pousada Casa Branca. Destaque do caminho: um oratório, em cimento, com Santo Antônio e as belas fotos registrando todas as belezas encontradas.

De Piranguçu-MG a Wenceslau Braz-MG, na divisa com Itajubá-MG. Caminhada de 37 km, com pequeno e único trecho em asfalto até a Pousada Lageado, a 1000 m. de altitude. É o trecho mais cansativo e a pousada mais confortável, com piscina de água quente, boa comida, quartos com TV e lareira. A credencial do Caminho foi carimbada no Chalé dos Freire-MG, passando-se pelo Pico da Serra dos Vieira. Destaque: o Chalé da Paz, um lanche rápido e seu bom acolhimento, a meio caminho para o Lageado.

Saída da Pousada Lageado em direção à Fazenda Boa Esperança em Delfim Moreira-MG, no APA da Mantiqueira, com altitude de 1450 m. Destaque para um tanque de cimento, com cara de leão. A trilha em direção ao município de Guaratinguetá, tem trajeto de 25 km. A meio caminho e próximo ao Hotel Barão (em reforma) há dois Oratórios, pequenos, em madeira e cimento, pintados de azul, à margem da trilha. Possuem imagens de Nossa Senhora Aparecida, Santo Antônio e Frei Galvão. Pedidos, orações, bilhetes e agradecimentos de graças e terços ali estão também. É este o ponto máximo da caminhada: 1.500 metros de altitude, com subidas de até 600 m. Aí tem início a descida, direta, com 8,3 km. É o trecho mais arriscado do trajeto, com “escorregões” registrados nas fotos. É perigoso por ser feito através de um valetão fundo, escuro, e que oferece grande risco no período chuvoso, por ser caminho das enxurradas. Iniciou-se assim a última etapa da aventura, através do bairro dos Pilões, já no município de Guaratinguetá. Às 16,50 h chegou-se à aconchegante Pousada de D. Sueli, com refeição deliciosa. O carimbo da Credencial, ali feito, registrou os seguintes dizeres: “Sueli Ap. Guimarães Faria, deseja às peregrinas uma boa viagem e que Deus as abençoe. 14.09.09. Pilões”.

Partida dos Pilões, de capa, devido à chuva, com percurso de 22 km até a Casa de Frei Galvão, em Guaratinguetá, com paradas e fotos nas capelas de Sant’Ana e São Joaquim, Santa Edwirges, São Sebastião, São Manuel e Escola de Aeronáutica. No bairro do Pedregulho, a Gruta de Nossa Senhora de Lourdes, na Casa Puríssimo Coração de Maria. Através da Ponte Dr. Zerbini, as caminhantes chegaram à Casa de Frei Galvão, no centro histórico da cidade.

Neste monumento – final do Caminho “você recebe as Pílulas de Frei Galvão, visita a casa onde nasceu este santo brasileiro, conhece mais da sua vida e história”, ganhando seu Diploma de Visita. O Diário da Viagem pelo Caminho Frei Galvão foi encerrado com a doação dos cajados das caminhantes à Casa e foto à frente do oratório com uma imagem de Frei Galvão talhada em jacarandá, de autoria de Ditinho Joana, conhecido artista de São Bento do Sapucaí. Enfim, “uma caminhada que vale a pena e deve ser repetida”, escreveram as irmãs – autoras, Maria Antônia e Maria Angélica.

 

Fonte e mais informações:

http://www.casadefreigalvao.com.br/

 

 

 

Texto de Renato Frosch e Emilson Pareschi – rfrosch@pop.com.br

O Caminho do Frei Galvão é considerado uma das rotas de peregrinação mais difíceis do Brasil, talvez o mais difícil tecnicamente para quem se propõe a pedalar no roteiro que vai de São Bento do Sapucaí a Guaratinguetá, na Serra da Mantiqueira.

Acompanhe a narrativa da viagem realizada em fevereiro de 2009 pela dupla de ciclistas Emilson Pareschi e Renato Frosch.

O grupo em que costumo pedalar possui alguma experiência em cicloturismo, com viagens realizadas no Caminho de Santiago, no Caminho da Fé e Caminho do Sol, região das Missões no Rio Grande do Sul, Chapada Diamantina, Estrada Real, Serra do Rio do Rastro e, baseado neste histórico, sinto-me confortável em afirmar que o Caminho do Frei Galvão não é uma boa opção para uma viagem sobre duas rodas.

Os visuais diários da Serra da Mantiqueira, com inúmeras situações de cruzamento com riachos, cachoeiras, fazendas e vilas, são muito bonitos. A sinalização, representada por setas azuis, está muito bem conservada e a estrutura para hospedagens está bem organizada.

Por outro lado, as grandes diferenças altimétricas e, fundamentalmente, os tipos de estradas do caminho (trilhas em single track intransitáveis, cursos d’água e rotas de romeiros) configuram o percurso deste Caminho em uma pedalada pouco efetiva.

Segue roteiro realizado:

DIA 1 – São Bento do Sapucaí – Luminosa – 24km – 710m  de subida acumulada;
DIA 2 – Luminosa – Piranguçu – 22km – 510m de subida acumulada;
DIA 3 – Piranguçu – Wenceslau Braz – 37km – 550m de subida acumulada;
DIA 4 – Wenceslau Braz – Guaratinguetá – 52km – 1.210mde subida acumulada.

OBS:  O trecho final é uma descida absurda pela Serra da Mantiqueira, através de caminhos abertos pela água das chuvas, um desnível de mais de 1100 metros em meros 17Km.  

Compartilhe

Curta nossa Fan Page

Imagens

ACESSE O SITE

Ainda não possui conta? Clique aqui para se cadastrar!

Esconder

Recuperar senha?

Perdeu a senha? Informe o seu e-mail. Você receberá um link para recuperar a senha.

Mensagem de erro!



Voltar para login

Fechar

Próximo Evento: CICLO AVENTURA FURNAS - 17/02/2019

Bikers Rio Pardo | CICLO AVENTURA FURNAS