Certificado Cadastur - Ministério do Turismo do Brasil - 26.064298.80.0001-2

Atleta com braço amputado encara de bicicleta os 72km do GFNY Brasil

  • 09/08/2017

Com uma Caloi 10 adaptada, o gerente industrial Marcus Freire completou a prova em 3h30. Etapa realizada em Conservatória (RJ), no domingo, 6 de agosto, teve percursos de 72km e 160km


Quando Marcus Freire, de 47 anos, sofreu uma descarga elétrica na infância, os médicos disseram que se sobrevivesse, o garoto ficaria cego e surdo. Ele sobreviveu, enxerga e ouve muito bem, mas precisou amputar o antebraço direito. Sempre levou uma vida normal, é gerente industrial de uma fábrica de confecção em São Paulo, casado há 21 anos com Shirlei Freire, de 40 anos. Porém, nunca praticou esporte. Só aos 42 anos, em 2012, decidiu começar a se movimentar.

Primeiro, veio a corrida. E o paratleta escolheu iniciar logo com um chute na porta. A primeira prova da qual participou foi a Meia Maratona do Rio. Os primeiros 42km foram na Maratona de Nova York, em 2014. O apoio veio do grupo de corrida Aquilles Internacional, que incentiva a prática de esporte por deficientes físicos a fim de fazer com que treinem e socializem novamente.

Com o passar dos anos, em busca de novos desafios, resolveu começar a pedalar. Ciclista há 2 anos, completou no domingo, 06 de agosto, os 72km da Grand Fond New York no Brasil, em Conservatória (RJ).


Para encarar o desafio não foi preciso uma bicicleta cara, top de linha, comum de encontrar nessas provas. Em uma Caloi 10 adaptada pelo amigo mecânico especializado em bicicleta, Marcus terminou a prova orgulhoso e em 3h31min. Os treinos são de 3 a 4 vezes na semana, intercalados com os de corrida.

Influenciada pelo marido, Shirlei também passou a ter gosto pelo esporte. Participa das corridas - inclusive comemoraram 20 anos de casados cruzando a linha de chegada da Maratona de Paris, e passou a pedalar - embora ainda não encare uma prova de ciclismo.

Para eles, bicicleta e corrida também são maneiras de conhecer novas cidades. A programação de viagem e férias segue o calendário de provas.

- Porque a gente trabalha tanto e acaba não conseguindo viajar, ai pensa “ah, depois vamos”. Quando tem uma prova, não dá pra protelar. Você tem que se programar com um ano antes. Tem que treinar. Aí aproveita e já passa uma semana no lugar - conta Marcus, que começou a praticar esporte quando viu que não tirava férias há 5 anos.
Sem cansar, o próximo desafio de Marcus agora é começar o paratriatlo. E deixa um recado para quem ainda hesita sobre começar a praticar esporte.

- Você tem dúvida é só começar a participar. Você vai pegar o gosto e não vai largar mais! Com certeza, sua vida vai ser muito melhor depois.

Por: Eu Atleta

Compartilhe

Curta nossa Fan Page

Veja também

Bikers Rio Pardo | SUA HISTÓRIA | Do sedentarismo ao ciclismo

Do sedentarismo ao ciclismo

Pedalar foi a válvula de escape para Felipe Molina, ex sedentário hoje é um atleta

Bikers Rio Pardo | SUA HISTÓRIA | Haja força de vontade! Professor emagrece 53kg com ciclismo e dieta

Haja força de vontade! Professor emagrec...

Após chegar aos 157kg e apresentar vários problemas de saúde, Paulo Otávio da Silva Batist... veja +

Bikers Rio Pardo | SUA HISTÓRIA | Bikers encaram desafio até o Pico da Bandeira

Bikers encaram desafio até o Pico da Ban...

Depois de 170km de Tombos até o Alto do Caparaó, em Minas Gerais, escalada a pé para chega... veja +

Bikers Rio Pardo | SUA HISTÓRIA | Após preocupação com alergia, estudante vira ciclista, entra na dieta e emagrece 30kg

Após preocupação com alergia, estudante...

Novo João Pedro é mais contido nas refeições e apaixonado pelo ciclismo; mudanças levam jo... veja +

ACESSE O SITE

Ainda não possui conta? Clique aqui para se cadastrar!

Esconder

Recuperar senha?

Perdeu a senha? Informe o seu e-mail. Você receberá um link para recuperar a senha.

Mensagem de erro!



Voltar para login

Fechar

Próximo Evento: CICLO Aventura - CACONDE-SP - 07/01/2018

Bikers Rio Pardo | CICLO Aventura - CACONDE-SP