Certificado Cadastur - Ministério do Turismo do Brasil - 26.064298.80.0001-2

História da Bicicleta

  • 08/08/2014

No começo eram apenas duas rodas ligadas por um pedaço de madeira. <br /> As primeiras bicicletas, se é que podem assim ser chamadas, não possuíam pedais, nem pneus de borracha e nem mesmo freios.


No começo eram apenas duas rodas ligadas por um pedaço de madeira. 

As primeiras bicicletas, se é que podem assim ser chamadas, não possuíam pedais, nem pneus de borracha e nem mesmo freios. 

Na maioria das biografias o mérito pela invenção do precursor da bicicleta coube a um barão alemão chamado Karl Friederich Drais (1785-1851). Ele buscava um veículo que pudesse percorrer pequenas distâncias, mas que fosse rápido e barato. 

Alguns anos antes, ele havia experimentado veículos com três e quatro rodas propelidos a força humana que fracassaram por não serem baratos e muito menos práticos. 

Foi então que em 1817 ele concluiu sua busca ao idealizar um veículo com duas rodas. Eram basicamente duas rodas de carroça ligadas a uma estrutura de madeira. A engenhoca possuía um sistema de direção rudimentar, mas que funcionava de forma razoável. Para se obter movimento era necessário estar sentado sobre ela e empurrá-la tocando o solo com um pé de cada vez. 

Desde o começo, Drais havia concebido seu invento com propósitos comerciais, e assim que percebeu o seu potencial, tentou patenteá-lo em Viena sem êxito. Porém, em sua terra natal (Ducado de Baden) e em Paris, ele conseguiu obter patentes rapidamente transformando seu invento em um sucesso, e apesar das patentes, suas "Draisines" , como eram chamadas, foram copiadas aos montes, se espalhando por grande parte da Europa. 

Por volta de 1820, devido a problemas políticos em seu país, Drais veio para o Brasil, onde morou até 1832, quando se mudou para Inglaterra. Nesta época a moda das draisines havia passado. 

Foi apenas por volta de 1860 que algumas melhorias começaram a ser introduzidas. Talvez a mais importante tenha sido o uso de pedais acoplados à roda dianteira. Estes mecanismos já eram conhecidos de longa data mas não se sabe ao certo porque tanto tempo se passou até que sua utilização fosse adotada. Talvez a idéia de equilibrar-se em duas rodas não agradasse as pessoas da época. 

A próxima melhoria foi a introdução de pneus maciços de borracha, que além de tornarem a rodagem mais confortável, ofereciam mais tração em pisos lisos, como por exemplo, paralelepípedos. 

Com a difusão dos agora chamados velocípedes, surgiram os clubes de ciclismo e também as competições. Embora tivesse havido corridas com draisines anteriormente, a primeira corrida documentada de velocípedes ocorreu em Paris a 08 de dezembro de 1867. 

Foi nesta época que as rodas dianteiras começaram a aumentar de diâmetro. Isto porque quanto maior a roda dianteira, maior seria o espaço percorrido com uma pedalada. Estas bicicletas eram chamadas de "High Bicycles" que em português significa bicicletas altas. 

Outro avanço significativo foi a introdução de aros de metal nas rodas que ao invés de trabalharem a compressão como os aros de madeira, trabalhavam a tração, tornando a rodagem muito mais macia. Tanto assim que estas rodas eram chamadas de "suspension wheels" ou seja rodas-suspensão. 

Com as condições de rodagem beneficiadas pelas novas tecnologias, as velocidades aumentaram e portanto as quedas tornaram-se mais freqüentes e com conseqüências mais graves. Era necessário baixar o centro de gravidade destas bicicletas para torná-las mais fáceis de serem equilibradas. Vários modelos apareceram, mas o mais bem-sucedido foi aquele que transferiu a tração da roda dianteira para roda traseira usando uma corrente para levar o movimento dos pedais para a parte de trás e engrenagens com diâmetros diferentes com a finalidade de multiplicar o espaço percorrido pela roda traseira para cada pedalada. 

Entre 1880 e 1915 vários formatos de quadros e diferentes tipos de materiais (aço, alumínio, madeira, bambu), foram utilizados para fabricação de bicicletas, mas o formato que prevaleceu foi o de "diamante" devido à facilidade de construção e resistência oferecida, e o material foi o aço pelo seu baixo preço. 

Com a alta produção e a baixa dos custos as bicicletas assumiram um papel social importante na época, fornecendo transporte eficiente e barato. Mesmo com a introdução do automóvel, elas continuaram a servir a população. Surgiram modelos interessantes, como por exemplo, a bicicleta bombeiro, que carregava uma mangueira, e a bicicleta militar que entre outras coisas, possuía uma metralhadora acoplada ao quadro. 

Mas, apesar disso, poucas mudanças ocorreram durante as décadas seguintes. A não ser por novos acessórios, novas técnicas de confecção de quadros e a introdução dos pneumáticos (pneus com câmaras), pode-se dizer que entre 1920 e 1970 houve um congelamento na evolução da bicicleta, um período de estagnação. 

Foi com a introdução do "Mountain Biking" nos anos 70, que a indústria passou a repensar a bicicleta devido a necessidade de se obter mais resistência sem aumento de peso. Com a pesquisa de novos materiais, mais leves e mais resistentes, está se chegando cada vez mais perto da bicicleta ideal. Podemos citar como exemplos de materiais, o titânio, a fibra de carbono, e mais recentemente, um material chamado Scandium que reúne as características do titânio a um preço um pouco superior ao do alumínio. 

Com a utilização destes materiais foi possível introduzir conceitos que já existiam, mas eram impossíveis de serem aplicados devido ao custo e ao acréscimo de peso. Alguns destes conceitos são os novos desenhos dos quadros, freios a disco, câmbio de 27 velocidades e suspensões dianteira e traseira. 

Talvez estejamos atravessando uma época tão criativa quanto a da origem das bicicletas, quando se buscava o formato ideal, o que é uma grande vantagem porque quem sai ganhando somos nós ciclistas.

 

Compartilhe

Curta nossa Fan Page

Veja também

Bikers Rio Pardo | Artigo | Como pedalar nas 4 Estações,

Como pedalar nas 4 Estações,

Mantenha seu corpo em forma 365 Dias

Bikers Rio Pardo | Artigo | Cicloturismo para melhorar o mundo

Cicloturismo para melhorar o mundo

A bicicleta é um veículo agradável e eficiente não apenas para ir até a padaria da esquina... veja +

Bikers Rio Pardo | Artigo | 4 benefícios cardiorrespiratórios do ciclismo

4 benefícios cardiorrespiratórios do cic...

Pedalar pode ser mais do que um hobbie, e se transformar também numa ferramenta potente pa... veja +

Bikers Rio Pardo | Artigo | Os benefícios da acupuntura em atletas amadores de triathlon com algias.

Os benefícios da acupuntura em atletas a...

Os atletas de triathlon de alto rendimento, mesmo não profissionais, referem a dor como pr... veja +

ACESSE O SITE

Ainda não possui conta? Clique aqui para se cadastrar!

Esconder

Recuperar senha?

Perdeu a senha? Informe o seu e-mail. Você receberá um link para recuperar a senha.

Mensagem de erro!



Voltar para login

Fechar

Próximo Evento: Ciclo Aventura - A confirmar - 22/07/2018

Bikers Rio Pardo | Ciclo Aventura - A confirmar